O Estresse, a Perda e Paretto

Acabei de passar por um sujeito agredindo uma vendor machine. Eu não precisei perguntar nem ouvir ele dizer uma palavra, apenas via raiva e frustração estampadas no seu rosto e corpo. E acredite, ele estava transtornado empurando violentamente a máquina com fúria. E não foi uma ou duas vezes. Ele até saiu da frente da máquina, possivelmente para reclamar para alguém, e depois voltou e continuou com sua luta. Era visível o constrangimento de todos ao redor.

O motivo da inusitada cena: um chocolate de R$2.

Esse é um mal cada vez mais presente e que só leva as pessoas a cada vez mais estresse e conflitos que geram toda uma bola de neve que sabemos (ou não) como pode acabar mal. Mas por quê?

Procurei respostas em livros de comportamento e até no budismo. Mas foi no livro "Previsivelmente Irracionais" de Dan Ariely que veio a resposta:

As pessoas não admitem perder!

Este medo da perda nos acompanha a vida toda e se exarceba em alguns momentos quando somos capazes de "partir para a briga" com uma máquina de doces! Mas isso nos faz muitas vezes tomar decisões erradas ou, muito pior, não tomar uma decisão por medo!

Frequentemente pessoas ficam surpresas e até indignadas quando deixo passar um erro num pedido de refeição ou uma diferença no caixa do supermercado. Ás vezes sou taxado de passivo e conformado. Na verdade eu sigo uma filosofia diferente do padrão.

Eu me importo com o que realmente importa.

Se você quer uma vida com menos estresse você deve evitá-lo e não esperar que nada lhe aconteça. Vivendo de outra maneira você será a frustração em pessoa. Admitir que perder faz parte da vida e seguir em frente é o melhor que se tem a fazer. Ou você acha que é possível que todos os times ganhem o campeonato?

Certamente o tempo que eu perco e o estresse que eu ganho, não compensam os R$2 que perdi com o preço errado no supermercado ou comer purê ao invés de arroz no almoço.

Note que em momento algum digo que você deve se conformar. Conformidade é o nosso maior mal, pois nos deixamos ser manipulados e seguimos o rebanho. Mas você deve se preocupar com o que realmente se importa. Se meu prato viesse com camarão eu certamente iria reclamar, pois sou alérgico. Ou se a diferença fosse de R$30 eu não deixaria passar em branco.

Paretto era um gênio. Ele estabeleceu uma lei que diz que 20% do esforço gera 80% dos resultados. Simples. Pergunte-se: o que é realmente importante para você? O que realmente faz a diferença? Essas são as perguntas que lhe ajudarão a viver uma vida com menos estresse. Mantenha o foco e as preocupações no que realmente importa para você! Deixe os outros 80% em segundo plano.

Pois eu duvido duramente que ao final da vida aquele sujeito vá se recordar: "ah, aquele maldito chocolate que aquela máquina roubou de mim..."

1 Comentários:

Kenia disse...

legal demais teu blog! excelente foco. titulo me impressionou logo de inicio!

BlogBlogs.Com.Br